Tombamento de imóvel para criação do memorial São Félix

Itapetinga, apesar de sua pouca idade, é uma cidade privilegiada! Temos o único jardim zoológico do interior da Bahia, um excelente estádio de futebol, um Parque Poliesportivo (da Lagoa), que é um lindo cartão postal, um museu em pleno funcionamento, uma Concha Acústica bem localizada e de estrutura agradável, uma Igrejinha de Pedra que é dos atrativos turísticos, um parque de exposições bem estruturado com a realização anual deste importante evento para o município, uma universidade estadual que é referência em educação superior, um pólo industrial ativo e um comércio forte, além de expressivas manifestações culturais nas mais variadas áreas.

A arquitetura do centro da cidade é uma das mais belas e diferenciadas do interior do Estado, haja vista o engenheiro José Vaz Espinheira, autor de inúmeros projetos arquitetônicos, ter trazido influências da arquitetura americana e até européia para nosso município, desenhando imóveis para amigos, compondo um aspecto diferenciado aos imóveis residenciais e institucionais, a exemplo do Prédio da Maçonaria e do Hotel Goitacaz. Vale lembrar que o nosso patrimônio imobiliário está se perdendo. Imóveis antigos estão sendo demolidos, dando lugar a novos prédios com estruturas modernistas. Nada contra o progresso, mas consideramos importante a preservação de nossa história. Ao passar próximo ao antigo Hotel Marabá, recentemente, e ver uma placa de venda, fiquei imaginando o que será aquele imóvel no futuro. É evidente que quem o adquirir irá imediatamente colocá-lo no chão, e com ele, toda uma história que aquele imóvel registrou.

Outro imóvel que me despertou a curiosidade pela placa de venda foi a casa do nosso saudoso artista Júlio de Souza Barbosa, nosso querido São Félix. O imóvel fica em minha rua e tem já na fachada, a sua característica de artesão refinado. Está à venda. Como a “casa” onde nosso querido São Félix residia no interior do Ginásio Agro Industrial é de propriedade do Estado, não poderíamos propor criar ali um memorial, nem mesmo sugerir tombamento.

No caso da imóvel da Rua Corínthians, me senti impelido a consultar seus herdeiros quanto à possibilidade de tombarmos aquela propriedade, com o fim único de se criar ali o memorial São Félix, oportunidade em que suas obras – e não são poucas – bem como seus bens de uso pessoal, documentos, mobiliário, ferramentas de trabalho etc, poderiam ser expostos, garantindo assim a memória de alguém que apesar de simples, marcou de forma muito positiva a sua passagem por esta terra.

A lei de tombamento permite o tombamento parcial ou total do imóvel. No objeto em questão, seria oportunidade única de visitação cultural em um bairro da periferia, próximo à Feirinha do Primavera. Vale ressaltar que o referido imóvel já é histórico, haja vista o próprio São Felix ter trabalhado em sua estrutura.

A despeito do que possa desejar os familiares, julgo interessante a possibilidade de tombamento desse imóvel, com a finalidade de se instalar ali o Memorial São Félix. Em consulta ao amigo Nilton Barbosa, incansável lutador pela memória do pai, ele se diz favorável a qualquer ação que preserve o seu legado. Temos, no mínimo, o dever de nos mobilizarmos em prol da preservação da história de nosso município.

 

*Escritor, com sete livros publicados, dentre eles dois históricos: “Itapetinga, Quero Te Conhecer” e “Espinheira – O Mito”

 

Sem comentários ainda.

Deixe um comentário