São João: o que é bom, dura pouco

Há um ditado que diz que o melhor perfume vem nos menores frascos. Por analogia, posso dizer também que as melhores festas são as que acontecem no tempo mais curto.

O São João deste ano em Itororó transcorreu em apenas dois dias e uma noite. Mais precisamente em 60 horas ou, se quiserem, da noite de sexta-feira ao amanhecer de segunda. Entretanto, quer pela pouca duração, quer pelos momentos marcantes, foi uma festa para deixar saudades.

Na noite de sexta-feira os frequentadores da Praça do Festsol foram surpreendidos com a beleza do show de Luiz Caldas. Mostrando-se versátil e com um estilo estritamente forrozeiro, o cantor de “Nega do Cabelo Duro” relembrou as melhores composições de Luiz Gonzaga, além de cantar Alceu Valença, Elba Ramalho e outros grandes cantores de forró.

Quando foi anunciado que Luiz Caldas cantaria no São João de Itororó, a sua contratação foi alvo de duras críticas e, até, de fortes gozações. Mas o artista mostrou que, quando se é bom, é também capaz de superar a adversidade; quem sabe o tempo que passou e, então, dar a volta por cima. Foi exatamente o que fez Luiz Caldas ao se transformar em um grande forrozeiro ou, melhor dizendo, em um exímio cantor das músicas de forró dos grandes forrozeiros do país.

Na noite seguinte, sábado, a surpresa ficou por conta de Bell Marques ou, melhor, de Chiclete Com Banana, já que Chiclete e Bell se confundem quando estão no palco. Quando foi divulgado junto à programação da festa que, no dia 23, Bell Marques subiria ao palco da Praça do Festsol, com a banda de seus filhos, pouquíssimas pessoas acreditaram. Era uma jogada de marketing diziam os mais incrédulos, principalmente os eleitores apaixonados da oposição que não souberam esconder a torcida que faziam pelo fracasso da festa.

Quem não foi à Praça Cel. João Borges na noite de sábado e, por isso, não viu “Chiclete Com Banana” mostrar porque é a melhor banda de axé da Bahia, com certeza, não terá outra oportunidade para vê-la tão cedo. A não ser em outra cidade, porque Chiclete só se apresenta em praças de grandes cidades ou, então, em eventos fechados, como o “Ticomia” de Ibicui. Como aconteceu de Bell vir e dar aquele show na praça do Festsol, eu não sei dizer, mas sei que a sua presença elevou a festa às alturas.

O São João da Praça do Festsol valeu pelas duas atrações citadas. Seguramente, foi o melhor São João de rua deste ano, em toda a região. O prefeito e a equipe organizadora da festa estão de parabéns. Mostraram mais uma vez que inteligência e organização são qualidades que não se dispensa nesses momentos.

E o que dizer da festa programada para o Clube de Campo do Gameleira? Perfeita, eu diria, mesmo com o atraso na programação musical, ocorrido por conta da empresa responsável pela montagem do palco e do serviço de som. Mas, ao final, a demora acabou contribuindo para o sucesso da festa porque, quando as bandas começaram a tocar, os foliões já haviam bebido e se alimentado com a carne-de-sol o suficiente. E, assim, puderam vir para a parte de baixo do clube, onde estava o palco, para assistirem e participarem ativamente do show.

A surpresa da festa do Gameleira foi a presença de palco da itororoense Mariele Antunes, vocalista da banda “Babado Novo”, e filha de Bolinha e neta do velho e saudoso amigo Hidelbrando. Como desejei que ele pudesse estar ali naquele momento, para ver e ouvir a sua neta mostrar as qualidades e o desembaraço de uma grande artista. Gostei da sua simplicidade e, principalmente, do seu grande afeto por Itororó.

Mas, é impossível não falar de Targino Godim que, depois de alguns anos, voltou a se apresentar no São João de Itororó, a cidade que o lançou para a fama. Foi uma pena que Targino só se apresentasse por apenas uma hora. Aquele começo de noite de domingo teria de ser seu, para nos fazer lembrar o inesquecível Luiz Gonzaga que ele canta como ninguém. Mas o atraso, ocorrido no início da programação musical, obrigou Targino a deixar o palco mais cedo para atender outro compromisso, na praça de Jequié. Mesmo assim, como sempre, Targino foi brilhante e demonstrou porque não pode estar ausente das festas juninas do município.

E, desse modo, com uma rapidez incrível, foi-se o São de Itororó deste ano. Tão rápido quanto bom, diriam os milhares de frequentadores da Praça do Festsol, principalmente os turistas. E eu completo: o que é bom, realmente dura pouco.

 

* Djalma Figueiredo é advogado

djalmalf@hotmail.com

 

Sem comentários ainda.

Deixe um comentário