Quem ganha e quem perde com a crise na educação?

edA renúncia da Secretária de Educação Eliene Chaves, esposa do vice-prefeito Alécio, não significa somente uma disputa entre grupos no governo de Zé Carlos. O modelo de gestão da Secretaria de Educação assim como das outras pastas é ultrapassado e copia velhas artimanhas para beneficiar o grupo que detém o poder.

Vejamos então que independente do nome que venha ser indicado, nada mudará se não forem estabelecidas medidas democratizantes e transparentes. Observe que concurso público não é um ingrediente do gosto do Prefeito, nem tão pouco eleição direta para diretor. Transparência nem se fala. Não teve um ano até agora que o Tribunal de Contas não acusou desvio no FUNDEB e os professores não cansam de cobrar a devolução nas manifestações de rua.

O Prefeito não gosta de concurso para manter os contratos de correligionários. Na última semana o vereador Renan Coelho recebeu a denúncia que estão pagando o salário de 40 horas para professor de 20, que é repassado para outro profissional não concursado em sala de aula.

Se este ano o salário do professor não for reajustado além da inflação de 7%, se não acontecer eleição direta para diretor, implantação do Plano de Cargos e Salários além do concurso público, a categoria como um todo vai continuar perdendo. O essencial não são os nomes, mas, a filosofia da gestão.

Como é prática do Prefeito de substituir um titular por integrante de segundo escalão, não esperem novidade na pasta de Educação e nem tão pouco mudanças bruscas. Vamos continuar acreditando na força da mobilização junto com o sindicato de classe.

Concluímos que com o troca-troca, a guerra entre aliados por cargos e licitações expondo as chagas da administração, só quem tem a perder é o prefeito que sonha fazer de sua mulher a sucessora. Até o final de seu governo vai jogar com o time reserva sem motivação e os aliados mais espertos por certo pularão do barco.

No seu primeiro governo estourou os limites criando cargos para aliados. Agora arruinado financeiramente tenta desfazer dos abusos e abre guerra com aliados que preparam o desembarque. Onde vamos parar?

* José Ferreira é bancário, professor e editor do blogdozeffereira

Sem comentários ainda.

Deixe um comentário