Por uma vida mais saudável

kaluHá mais ou menos um mês retomei as caminhadas em volta da lagoa, iniciando com passos lentos, até pegar o ritmo acelerado, como gosto de andar. Andei um perído enveredando-me pelo ambiente da academia, mas uma dorzinha no cotovelo direito, posteriormente diagnosticada pela ultrasonografia como epicondilite, me tirou do foco e tive que voltar à pista. É bem verdade que a caminhada sempre foi minha praia, não deixando de reconhecer que exercer atividade física em uma academia com profissionais qualificados e com boa orientação, é de vital importância para a saúde. Com o passar do tempo vou familiarizando-me com as pessoas que praticam a caminhada no mesmo horário que eu. Jovens, gente de meia idade e de terceira geração. Há aqueles que preferem andar sozinhos, em dupla ou em grupos.

As conversas e os diálogos são os mais variados. Uns vão a passos lentos, outros a passos largos e há quem preferia uma boa corrida. Comecei no período vespertino, mas terminei optando pelo hórário matutino, que é bem mais agradável, principalmente em um clima tão quente como o nosso, onde o calor está mesmo de lascar o cano. Vou alternando a pista externa com a interna, à beira da lagoa. É, sem sombra de dúvidas, um lugar agradável de se andar. A lagoa em si, as árvores, a vegetação rasteira, tudo em perfeita harmonia. Tem sido até o presente momento, um lugar seguro para a prática de exercícios. Deveria ser mais bem cuidada e limpa. Uma boa equipe para cuidar da limpeza e regar bem a grama, daria um aspecto mais bonito e vistoso ao nosso cartão postal. Uma campanha educativa, com placas alertando as pessoas para que conservem limpo o gramado e não joguem tanta sujeira em um local tão bonito, seria um bom propósito. Quem sabe o suporte de vigias ou até mesmo guardas municipais para fiscalizar e coibir os inimigos da limpeza. Para complementar a paisagem, só falta reativar o Pier da Lagoa. E é neste quesito que precisa de um bom administrador para o local e que tenha talento para o ramo. O local é excelente e a vista agradabilíssima. Se fala muito que Itapetinga é desprovida de bons restaurantes e que a vida noturna é pobre e sem muitas opções. Talvez aí esteja a chave da questão. Local para boa degustação e ambiente para drinks. O Maison Bella Vista foi uma excelente opção, porém não duradouro. Apesar do local ser bem acolhedor, muitos reclamavam da distância e certo medo por falta de segurança, principalmente na volta e no horário noturno.

Parece que por aqui o que vinga mesmo é só comida a quilo. O ambiente do Coroas Country Clube é agradável e tranquilo para os sócios, mas também precisa de uma boa reforma, principalmente no restaurante, ampliando-o e variando mais o cardápio. Carece de uma melhor seleção de músicas, com gosto musical apurado, variando o repertório musical, diferente do que tem sido apresentado, satisfazendo a todos os gostos. Itapetinga é uma das poucas cidades do interior que dispõe de um clube desta natureza, sendo elogiado e até invejado por muitos visitantes. O repertório musical também é crônico nos poucos bares da cidade, que propõem apresentar música ao vivo. Com uma imensa riqueza no universo musical, com compositores consagrados dentro e fora do país, não é difícil para cantores e artistas selecionarem um repertório de qualidade. Viver só do batidão sertanejo, de arrocha e dos pancadões da vida, ninguém aguenta mais. Eu pelo menos passo distante. Não se trata de preconceito sobre este ou aquele estilo musical. Trata-se mesmo é de bom gosto musical. Quando alguém diz que fulano tem bom gosto musical ou gosto refinado, não está dizendo nenhuma inverdade. Música boa é para ser ouvida. O resto, é o resto.

Almir Sater é exemplo de musicalidade. É um artista completo. Nesta mesma linha temos também Renato Teixeira. Já Elomar Filgueira é outro estilo e engrandece também a música brasileira. Quanto aos Axés da vida? Sem comentários. A música brasileira é uma das mais ricas do mundo. Este ano estamos comemorando o Centenário de Vinícius de Moraes. Eis aí uma boa pedida para os artistas darem uma boa sacudidela no repertório que é apresentado nos bares noturnos. E olhem que além de compor letra e música, Vinícius teve parcerias como nenhum outro artista. Compôs com: Tom Jobim, Chico Buarque, Baden Powell, Edu Lobo, Francis Hime, Carlos Lyra, Toquinho, Pixinguinha e tantos outros. O reperório é de uma riqueza musical e poética de tirar o fôlego. Chega de Saudade, Insensatez, Canto Triste, Serenata do Adeus, Lamento, Minha Namorada, Samba da Bênção, Samba em Prelúdio, Apelo, Canto de Ossanha, Upa Neguinho, Gente Humilde, Valsinha, Tarde em Itapoã, Primavera, Sem mais Adeus, Regra três. A lista é interminável…

 

* Carlos Amorim Dutra

Carloskdutra@gmail.com

Sem comentários ainda.

Deixe um comentário