“O treinamento muscular inspiratório vai atenuar a percepção do esforço, adiando a fadiga”

Sem título-1Mateus Esquivel – especialista em Fisioterapia em Terapia Intensiva, vice-presidente do Departamento de Fisioterapia da SBC-BA e professor da FAMEC – estará em Itapetinga, no próximo dia 08 de abril, para fazer uma palestra sobre a importância e os benefícios do treinamento muscular inspiratório (TMI) para atletas amadores ou profissionais. Em entrevista concedida ao Jornal Dimensão, ele explica como funciona o treinamento, a atuação dentro do nosso corpo enquanto nos exercitamos e todos os ganhos possíveis que o TMI pode conquistar para um melhor desempenho dos atletas. Mateus aproveita para convidar a todos para a palestra, salientando que toda a renda do evento será revertida para o Projeto Jiu-jitsu Vitória, que tem sede no bairro José Ivo, em Itapetinga.

Dimensão: O que é treinamento muscular inspiratório (TMI)?
Mateus Esquivel: É a modalidade de treinamento que impõe uma resistência externa aos músculos responsáveis pela inspiração. No treinamento é utilizado um aparelho portátil, que se trata de um resistor linear de fluxo, que é possível programar uma grande variedade de carga de 10 a 250 cmh20. O treino é realizado 2 vezes por dia, nas primeiras 4 semanas, e após uma reavaliação, e prescrito uma nova carga de treino, o treinamento é alterado para 3 vezes por semana, 2 vezes ao dia.

D.: Quais são os efeitos do TMI?
ME.: Além do aumento da força, hipertrofia e resistência dos músculos inspiratórios; estabilização do Core e controle postural, o efeito de maior relevância é a atenuação do Metaborreflexo dos Músculos Inspiratórios. Quando um músculo trabalha em alta intensidade, subprodutos metabólicos, como o ácido lático, acumulam-se dentro deles. Esses metabólitos estimulam receptores intramusculares que enviam sinais ao cérebro para estimular uma resposta reflexa da circulação, incluindo o fornecimento de sangue para a musculatura ativa. No exercício intenso, parte desse fluxo sanguíneo é desviado para a musculatura inspiratória, reduzindo o fluxo de sangue para os membros. Esta restrição do fluxo de sangue restringe também o fluxo de oxigênio e prejudica a remoção de metabolitos da musculatura ativa. Como resultado, a fadiga muscular ocorre de forma mais rápida, prejudicando o desempenho do exercício. O TMI reduz esses efeitos.

D.: Quais seriam os benefícios do treinamento muscular inspiratório para o desempenho?
ME.: Primeiro, é válido lembrar que a respiração é um limitador do exercício. Segundo, a percepção subjetiva do esforço (PSE), bem como a ativação do metaborreflexo dos músculos inspiratórios, serão limitadores do adequado desempenho. Assim, o treinamento muscular inspiratório vai atenuar ou tornar mais tardia a percepção do esforço e uma vez treinados, vai minimizar o “desvio” de sangue para a respiração, adiando a fadiga.

D.: Há evidências científicas desses benefícios em atletas do ciclismo ou corrida?
ME.: Diversos trabalhos científicos demonstram que além de melhorar em variáveis de força e volume pulmonares, há melhora no desempenho de prova contrarrelógio e exercício de intensidade fixa realizada até o limite de tolerância. Há melhora no Vo2 pico, há atenuação da produção de lactato, da percepção do esforço, da Frequência Cardíaca e aumento do volume corrente.

D.: Qual o custo do aparelho? Ele pode ser compartilhado?
ME.: O aparelho apresenta baixo custo e não deve ser compartilhado, pelo risco de transmissão de infecção respiratória.
D.: O TMI altera a rotina de treinamento do preparador físico?
ME.: O TMI é um complemento ao treinamento físico. Não é preciso alterar o treinamento que comumente é realizado. O TMI pode ser feito de forma isolada ou associado à prática desportiva específica.

D.: Como associar à pratica desportiva especifica?
ME.: A prescrição da carga deve ser feito por um fisioterapeuta especialista em fisioterapia respiratória. A carga nesse modo, deve ser uma carga mínima que torne o exercício um pouco mais difícil, levando ao condicionamento global do atleta. O Profissional de educação física e fisioterapeuta devem estar em comum acordo nesta prescrição para maximizar resultados.

D.: Atletas que possuam asma podem realizar o TMI?
ME.: Sim. Inclusive, os benefícios serão maiores nesses atletas, pois a atenuação da PSE será ainda maior.Sem título-1

Sem comentários ainda.

Deixe um comentário