O impossível não acontece

Embora todo mundo saiba que a política pode unir os parceiros mais estranhos, eu mesmo não consigo acreditar que a anunciada união entre os grupos políticos de Edineu e Marco Brito não passa de uma farsa.

Para mim, eles podem fazer carreatas e passeatas, subir em palanques e dar as mãos que, mesmo assim, ainda me mantenho incrédulo quanto a essa esdrúxula parceria.

Continuo dizendo que, em política, tudo pode acontecer. Mas, o que acontece, sempre vem em nome do interesse pessoal, da certeza de vantagens políticas e econômicas, que não vejo como a inexplicável união de Marco e Edineu possa carrear para os dois espertos políticos. A não ser que, é bom que se diga, um venha a comprar o apoio do outro, em dinheiro vivo. Uma espécie de mensalão de Itororó.

Mas, dinheiro para realizar esse tipo de operação todo mundo sabe que nenhum dos dois chefes políticos locais tem. E, em promessas, para depois que um ou outro assumir o poder, eles não vão apostar. E com razões de sobra.

Marco acabou de sair de uma perigosa combinação política-financeira que não podia dar certo e, provavelmente, não vai apostar em outra. Edineu sabe que não pode confiar em Marco Brito, porque lhe deve um ajuste de contas de vinte anos atrás quando, companheiros da campanha que o fez prefeito, terminou mandando Marco para escanteio.

Portanto, fora do toma lá dá cá, não existe outra possibilidade do entendimento concretizar-se, entre eles. As diferenças antigas, forjadas em traições e ressentimentos, minaram as chances dos dois celebrarem um pacto, com recompensas futuras.

É verdade que ainda resta o salário de vice-prefeito para barganharem. Mas, este não me parece ser atrativo suficiente para levar Marco ou Edineu a renunciar ao poder para, depois, celebrarem a união política. A não ser que um deles esteja na condição de preferir o pouco que o nada.

Além do já dito, o que Edineu quer, é o mesmo que Marco Brito quer: o poder, que se materializa no comando da Prefeitura de Itororó. Marco Brito procura-o de forma direta, com a própria candidatura, enquanto Edineu tenta alcançá-lo por meio da esposa Rita que ele acabou lançando em seu lugar, uma vez que não pode candidatar-se. Ele tenta, assim, uma espécie de transplante político-eleitoral, muito comum nos velhos tempos, quando o marido tentava transferir à mulher e o pai aos filhos os votos de seus eleitores.

Mas, como disse Karl Marx, “a história se repete: primeiro como tragédia, depois como farsa”. E é assim que vejo a encenação política montada por Marco Brito e Edineu Oliveira, para as eleições deste ano.

Para os militantes históricos dos dois grupos, essa anunciada união é mesmo uma tragédia. Ela está alicerçada na falta de respeito aos velhos eleitores que, por mais de vinte anos, foram fiéis aos dois líderes. Por isso, se concretizada, ela vai ter o repúdio de todos aqueles que não aceitarão que os interesses pessoais de seus chefes estejam acima dos sentimentos e da paixão político-partidária que cada um carrega.

Ela sofrerá também o repúdio dos servidores públicos municipais que, por meras razões políticas, foram implacavelmente perseguidos tanto por Edineu como por Marco Brito, quando estes dirigiram os destinos do município, na condição de prefeitos.

A anunciada união é também uma farsa para as pessoas de bom senso, e sem compromissos políticos com qualquer um dos dois caciques. Elas sabem que, assim como Marco, também Edineu não vai abrir mão de governar o município, mesmo que seja por meio de sua esposa, para entregá-lo na bandeja a um adversário político histórico ou, melhor dizendo, ao desafeto de longos anos.

Edineu pode não ser politicamente inteligente, mas não é burro. Ele sabe que, se Marco eleger-se prefeito nestas eleições, tentará reeleger-se daqui a quatro anos. Logo, qualquer promessa feita agora para retribuir o apoio político nas próximas eleições, não será cumprida. E o mesmo vale para Marco Brito que, no início da década de noventa, viu Edineu, por meio de uma jogada política, destruir o seu sonho de sucedê-lo na Prefeitura.

A conclusão, é que nem a Edineu interessa a eleição de Marco, nem a Marco interessa a eleição de Rita. Para qualquer analista político, será mais inteligente e, politicamente, mais interessante para ambos a reeleição do atual prefeito que, na próxima eleição, não poderá mais concorrer ao cargo, deixando, assim, a disputa sem favoritos e em condições de ser vencida por qualquer candidato.

Mas, então, até quando a farsa da união política dos dois grupos vai continuar? Certamente, até que os dois líderes fiquem convencidos de que ninguém vai apoiar ninguém. Até lá, vamos continuar assistindo a toda essa encenação montada por eles que continuarão sonhando com um milagre político, capaz de fazer um deles desistir da candidatura para dar apoio ao outro.

 

 

* Djalma Figueiredo é advogado

djalmalf@hotmail.com

 

3 Comentários para “O impossível não acontece”