Jacomildes Ramos de Matos: este é mais um fruto da safra pqdista de Itororó

modelo 1Em 2 de outubro do ano de 1941 nascia no antigo distrito de Campos, hoje pujante município de Tobias Barreto, região oeste do Estado de Sergipe, o jovem Militar PQD, Jacomildes Ramos de Matos, parte integrante de uma prole de seis membros do sexo masculino e duas mulheres, advinda da união matrimonial do casal José Jaconias de Matos e Maria Ramos de Matos.

O currículo escolar daquele garoto, no entanto, começaria pela Escola Municipal Juracy Magalhães, do vizinho distrito de Lagoa Redonda, município de Itapicuru, Estado da Bahia, sob os primeiros ensinamentos das professoras Aline e Clarice Barbosa.

Em 1953, seus pais, em busca de melhoria de vida, resolveram transferir residência para o Município de Itororó, região cacaueira do Estado da Bahia, onde se tinha noticias que abundava prosperidade. Ali chegando, o garoto Mide, como é apelidado, se matriculou na escola do professor Oscar Brasil onde concluiu o Curso de Admissão para depois ingressar e concluir o Curso Colegial no Ginásio Juracy Magalhães. Em seguida fez o Curso de Contabilidade Técnica pelo Colégio Francisco Antonio de Brito, de Itororó.

Jovem sonhador, Jacomildes Matos trabalhava como oficial da indústria calçadista na fábrica A Sergipana de Itororó, pertencente ao seu primo, político, Agostinho Costa Santos, quando recebeu a visita do amigo Dalvadisio Novaes que estudava em Salvador, e chegava portando um recorte de um jornal da capital que convidava jovens, com vocação e boa estatura, para ingressar na carreira Militar do Exército Brasileiro, como paraquedista da Área Militar do Regimento Santos Dumont do Rio de Janeiro. Mide logo se mostrou interessado e pediu permissão aos pais para seguir a sua aptidão.

Decorria o ano de 1961 quando o jovem Jacomildes Ramos de Matos se apresentava ao Grupamento do Tenente PQD Mansur, no Rio de Janeiro, e foi reprovado na última braçada do Exame de Corda. No ano seguinte, estando mesmo determinado seguir a carreira militar, o jovem Mide resolve tentar pela segunda vez e, ai sim, foi aprovado para se especializar como mais um PQD brasileiro, conferindo mais uma divisa, nessa categoria, para o município de Itororó. Esse frenético paraquedista, recebeu Menção Honrosa por boa conduta no período laborado, mas após os dois anos limites para se decidir se continua ou se vai embora, e depois de ter realizado com sucesso 18 saltos aéreos sob comando dos instrutores gaúchos: Tenentes Pqd’s Prado e Motta e ter participado de vários combates a manifestações estudantis em Recife e Brasília, e ainda ter sido escalado para participar de manobras aéreas/terrestres no Panamá com apoio militar dos EUA, missão imediatamente rechaçada pelo presidente Jânio Quadros, decidiu pedir baixa da carreira militar para aventurar a vida exercendo o seu direito de cidadania em São Paulo, onde voltou a exercitar a sua velha profissão de sapateiro na Fábrica de Calçados Cima, no Bairro da Barra Funda, da capital paulista.

Em 1968, Mide estava outra vez de volta a Itororó, mas desta vez, para assumir a direção da Fábrica de Calçados a Sergipana, pois o proprietário, Agostinho Costa Santos, agora prefeito de Itororó, lhe confiava a gerência geral da empresa, onde exerceria o cargo até o fim do funcionamento daquela indústria que depois de expandir com suas lojas de vendas pelo Sul e Extremo Sul da Bahia, se instalando em Santa Cruz da Vitória, Ibicaraí, Camacã, Itapebi, Eunápolis e Itamaraju, já previa a desleal concorrência globalizada que viria para atropelar os menores produtores e, também, porque o seu presidente preferiu se dedicar mais à política partidária no objetivo de ver crescer a sua cidade, e resolve de uma vez por todas, encerrar sua carreira empresarial.

Em 7 de fevereiro de 1976, o jovem sergipano resolve constituir sua família em Itororó, se casando com a jovem servidora pública estadual, Maria das Graças Nascimento que recebeu o seu sobrenome de Matos por força da lei e lhe deu dois filhos: Olivério, pedagogo e Kalline, administradora de empresas.

Em 1969, com a liquidação dos bens da empresa de calçados que dirigia, Jacomildes Matos aproveitou-se do soldo recebido, para instalar o serviço de bar “A Drogaria”, na Avenida JK, centro da cidade, onde por mais de 40 anos, defendeu o sustento da sua família; local onde hoje se reúne, cotidianamente, com um grande número de amigos e clientes, não mais para absorver, exclusivamente, a sua fonte de renda, pois o casal já está aposentado e a sua família bem criada, mas, e, principalmente, para passar o tempo discutindo com os amigos mais íntimos a situação do seu Vascão da Gama nos campeonatos estadual e brasileiro e os assuntos do dia a dia da política nacional e da sociedade itororoense, motivo que levaria a Câmara de Vereadores e a Comissão Organizadora do Troféu Prof. João Evangelista, a apreciar o seu comportamento social para ser contemplado com a outorga desta honraria, este ano de 2014, com registro também, na coluna social regional do Jornal Dimensão de Itapetinga…

 

* Miro Marques é escritor, historiador e radialista

tiodomirosilva@hotmail.com / jornaldimensao@yahoo.com.br

Sem comentários ainda.

Deixe um comentário