Fundação José Silveira vai assumir o HCR

fotoDepois de realização de uma assembléia na última terça-feira, 11, o Hospital Cristo Redentor – Santa Casa de Misericórdia de Itapetinga – acertou as condições para firmar o convênio com a Fundação José Silveira, que deverá dar início a um novo ciclo de gestão, a partir do acordo de cooperação técnica entre as partes.

Pelas primeiras informações, o contrato prevê ações de investimentos voltados à renovação da estrutura e dos serviços, visando principalmente a melhoria da qualidade do atendimento prestado à população, bem como a otimização gerencial da unidade de saúde.

A previsão é de que representantes da Fundação José Silveira estejam em Itapetinga na primeira semana de julho, para fechar o contrato.

A Fundação

A Fundação José Silveira foi criada efetivamente em 1988, mas seu trabalho humanístico, social e de saúde já vem sendo feito desde 1937, com a criação do IBIT – Insituto Brasileiro para Investigação do Tórax. A FJS é uma entidade filantrópica, sem fins lucrativos, de natureza científico-cultural que objetiva, através de seus empreendimentos, alcançar os melhores padrões de qualidade para servir à comunidade. É atualmente composta por seis unidades.

Na década de 80, diante da crise financeira e sob a perspectiva de ver as portas do IBIT fechadas, um grupo de empresários conscientes e solidários com a obra de Prof. Silveira criou a Fundação. O intuito era disponibilizar vários serviços médicos no âmbito privado, através do Hospital Santo Amaro (antigo Hospital do Tórax), do Laboratório José Silveira e da Gerência de Segurança e Meio Ambiente, cujos resultados passaram a dar apoio aos serviços de caráter especificamente filantrópicos da Instituição.

A Fundação José Silveira mantém como unidade-mãe o IBIT e emprega cerca de 6 mil colaboradores, voltada para a prestação de serviços na área de saúde e assistência social.

O Cristo Redentor

Depois de seguidas crises de funcionamento e de ter até mesmo suspenso o atendimento pelo SUS por não ter como arcar com as despesas, o Hospital Cristo Redentor também sofreu com a troca de direção, uma vez que o então provedor Reinaldo Silva decidiu entregar o cargo, sendo seguido por alguns outros integrantes da diretoria. Em seguida, com a proposta de nova eleição, foi a vez de os então diretores Jilvan Silveira e Marcelo Gomes também deixarem os cargos à disposição.

Nova eleição foi feita, ficando a provedoria do HCR entregue ao médico Marcelo Lima Pinto, enquanto o médico Roberval Andrade responde pela direção médica.

Hospitais em falência

A situação de dificuldades por que passa as unidades de saúde da região é gritante. Em Itapetinga, de três antigos e bem estruturados hospitais – Cristo Redentor, Santa Maria e Raimundo Perazzo – apenas o Cristo Redentor teima em resistir. O Perazzo está fechado desde o ano passado, deixando o atendimento pediátrico comprometido na cidade, uma vez que a Secretaria de Saúde e a direção do Hospital não chegaram a um consenso. O Santa Maria estava respondendo a inquérito administrativo e também sofria com a falta de recursos suficientes para arcar com as despesas.

Iguaí e Itororó

Na vizinha cidade de Itororó, distante 30 km de Itapetinga, um grupo de amigos se mobilizou e criou uma campanha em prol do soerguimento do Hospital, que sofria com a precariedade de alimentos para os pacientes e faltava até mesmo lençóis para os leitos. O apelo deu certo e a comunidade itororoense abraçou a causa, mantendo o Hospital Maternidade ainda vivo. Uma associação formada por funcionários, foi formada para administrar as doações e dar sequência à luta de melhorias para os diversos setores da unidade de saúde.

Na cidade de Iguaí, 100 km distante de Itapetinga, a preocupação da população com o setor de saúde é bem maior: por lá, a notícia é de que estão suspensos os atendimentos de urgência, emergência e clínica médica do Hospital SOMAI – Sociedade Médica Assistencial de Iguaí.

Os salários dos funcionários estão atrasados dois meses e a direção do Hospital informou que a interrupção foi motivada pela redução de repasses financeiros ao Somai.

A cidade conta com uma outra unidade de saúde, mas sem estrutura para dar conta da demanda dos casos de urgência, emergência e clínica médica.

No mês de maio os diretores do SOMAI estiveram com o secretário de Saúde do Estado, Jorge Solla, buscando retornar o contrato de atendimento pelo SUS. Não se sabe ao certo o que aconteceu com esta pretensão, uma vez que a direção da unidade de saúde optou por fechar as portas pelo menos temporariamente.

Tags:

Sem comentários ainda.

Deixe um comentário