Ferrovia que o PT tirou de Vitória da Conquista não avança na região de Tanhaçu

modelo 1Iniciada em dezembro de 2010, com previsão de conclusão em dezembro de 2012, o Lote 3 da Ferrovia Oeste – Leste, trecho de Tanhaçu a Manoel Vitorino está com atraso de 3 anos.
Na localidade de Sussuarana, distrito de Tanhaçu, as obras estão paradas há quase 30 dias. Em direção a Brumado já foram colocados 20 Km de trilhos, e na direção de Manoel Vitorino mais 70 Km. No local está parada uma grande máquina de alinhamento dos trilhos e vasculhadora de brita.
Existe uma certa apreensão nas cercanias com medo que as obras sejam paralisadas. O Contrato que a Valec firmou com o Consórcio que envolve as empresas Torc, Ivai e Cavan vence no próximo mês de dezembro. Uma placa anuncia investimento de R$ 403 milhões referente ao Lote 3.
O governador Rui Costa (PT) e os deputados da base continuam acreditando que a crise financeira que atravessa o Brasil não afetará as obras da Fiol.
O deputado estadual Herzem Gusmão (PMDB) visitou o canteiro de obras na manhã deste domingo (1/11).
“Em que pese terem tirado de Vitória da Conquista, a Fiol é uma arrojada iniciativa que trará benefícios extraordinários para a Bahia. É lamentável o atraso e ameaça de interrupção das obras”, lamentou o parlamentar.

 

Herzem solicita explicações sobre abandono de prédio no distrito dos Imborés

Secretaria de Saúde do Estado. O pleito foi do deputado estadual Herzem Gusmão (PMDB) ao presidente da Comissão de Saúde e Saneamento da Assembleia Legislativa, Alan Sanches, na manhã desta terça-feira (3).
“Aproveitei o momento em que estávamos discutindo sobre a Bahiafarma para pedir que fosse encaminhado um requerimento solicitando esclarecimentos à Secretaria competente sobre a indústria de medicamentos. À época que foi construída, o discurso do governo foi de que seria para reativar a Bahiafarma, a partir de Vitória da Conquista, e premiar o curso da UFBA, campus avançado Anísio Teixeira, com a promessa que iria produzir remédios para hipertensão, anti-inflamatórios e analgésicos. No entanto, o local está completamente abandonado. Até mato estava tomando conta. Mas, como ficaram sabendo que os deputados da oposição iriam fazer visita esta semana, fizeram uma limpeza”, afirmou o peemedebista.

 

Oposição constata desperdício de recursos públicos e obras paralisadas em Conquista

Os deputados da bancada de oposição na Assembleia Legislativa estiveram em Vitória da Conquista cumprindo agenda de fiscalização das obras paralisadas do governo do estado. Recebidos pelo deputado da região, Herzem Gusmão (PMDB) e um grupo de políticos local, os parlamentares iniciaram o roteiro pelas obras do novo aeroporto de Conquista, cuja ordem de serviço foi assinada em 2013 pelo então governador Jaques Wagner. “Constatamos aqui mais um exemplo de desperdício do dinheiro público promovido pelo governo petista da Bahia, habituado a iniciar obras sem projeto”, disse o líder da bancada, deputado Sandro Régis (DEM) informando que apesar da pista de pouso em conclusão, não existe no entorno estrutura que indique a construção do terminal de passageiros. “Sabe-se que a licitação foi adiada para dezembro e a informação é que não existe projeto e nem orçamento locado”, lamentou o líder.”
Depois de tanto tempo de iniciada, o que vemos aqui é um corpo sem cabeça”, indignou-se o deputado Herzem Gusmão, anfitrião da visita.
Do Aeroporto os parlamentares seguiram para as obras de construção do laboratório Bahiafarma que deveria ter entrado em operação desde 2012 e, no local só existe um galpão. “O que vemos aqui é a música de uma nota só: obras eleitoreiras paralisadas”, observou o deputado Luciano Ribeiro (DEM). O tucano Adolfo Viana criticou a falta de planejamento do governo e frisou que a gestão petista vem se notabilizando pela total falta de programação em relação aos seus gastos. Os deputados se mostraram também impactados com a ociosidade do novo presídio de Vitória da Conquista, com obra totalmente concluída mas sem utilização.
O presídio, que custou aos cofres públicos R$ 33 milhões e tem capacidade para acolher cerca de 800 detentos, está inativo.
«É um absurdo constatar que existe um complexo na Bahia sem utilização enquanto a crise de vagas superlota todos os presídios”, criticou o deputado Hildécio Meirelles (PMDB), lembrando que os presídios complementam o sistema de segurança pública.
“O governo sequer sabe operacionalizar os equipamentos que tem”, lamentou. O deputado Herzem Gusmão informou que o atual presídio de Conquista tem capacidade apenas para 170 vagas, mas abriga quase 300 presos. À tarde, a agenda de fiscalização prosseguiu com visita às obras das UPA, Hospital de Base e Pronto Socorro.

Sem comentários ainda.

Deixe um comentário