Eliene Chaves pede exoneração.

padrão destaqueA educadora Eliene Chaves não é mais a secretária de Educação de Itapetinga. Ela pediu exoneração do cargo nesta quinta-feira, depois de tomar conhecimento de uma entrevista onde ao falar de nepotismo, o prefeito José Carlos Moura teria dito que uma comissão estaria fazendo “apurações” a respeito da administração que ela fazia à frente da Secretaria. Se sentindo vítima de calúnias, Eliene Chaves desabafa e aponta “interesses politiqueiros” de pessoas ligadas ao seu próprio grupo político, como responsáveis pelo seu desgaste.
Ela falou à repórter Eliene Portella.

Jornal Dimensão – Depois de ter sido na gestão passada o braço direito de seu marido, o ex-secretário de Educação e hoje vice-prefeito Alécio Chaves, a senhora foi convidada pelo prefeito José Carlos para assumir o comando da secretaria de Educação. Porém, passados 4 meses da segunda gestão dele, a senhora resolve pedir desligamento do cargo. O que a levou a esta atitude?

 

Eliene Chaves – Desde o final do ano passado já havia colocado o cargo à disposição, porém o próprio prefeito solicitou a nossa permanência. A permanência no cargo somente duraria até que outra pessoa pudesse assumir a Secretaria. Mas foram quatro meses difíceis de trabalhar. Há um grupo desejoso em fazer oposição ao nosso trabalho. Existem duas coisas que não abro mão no exercício do meu trabalho: autonomia e confiança. Sem poder exercer de forma plena esses princípios, decidi pedi exoneração do cargo.

 

J.D. – Em uma entrevista a um blog da cidade de Vitória da Conquista recentemente, o prefeito José Carlos chega a dizer que foi formada uma “comissão de sindicância” para apurar possíveis irregularidades na secretaria de Educação. A senhora tinha conhecimento disto?

 

Eliene Chaves – Não. Fui tomada de surpresa. O cargo é de confiança do Prefeito e temos uma gestão compartilhada com setores da Prefeitura. Inclusive, compartilhamos com ele decisões importantes.

A Secretaria de Educação sempre foi transparente em sua gestão. Temos Conselhos atuantes que fiscalizam as nossas ações. Não temos nada a temer, o nosso trabalho é que precisa ser avaliado pela comunidade. As nossas pastas de prestações de contas são de caráter público e estamos abertos a quaisquer esclarecimentos.

 

J.D. – A senhora recebeu recentemente o título de “Gestora nota 10”, foi eleita representante regional da Udime e recebeu elogios no final de abril no Seminário Estadual de Educação Infantil, depois de apresentar números ligados ao crescimento de vagas e empenho para construção de mais creches na cidade. Com um currículo com estes registros tão positivos, porque estaria tão na mira de seu próprio grupo político?

 

Eliene Chaves – A Secretaria de Educação esteve, desde a gestão de Alécio, preocupada em oferecer ações que contribuíssem com a comunidade itapetinguense. Sempre desejamos dar o melhor para os nossos alunos, professores e nos empenhamos muito para isso. Os índices são resultado de um trabalho em equipe.

A Secretaria de Educação durante todo este período buscou desenvolver o seu papel de forma eficaz, pautada nos princípios da administração pública. Tais princípios devem ser observados de forma conjunta, principalmente, legalidade e moralidade. A não observância de tais princípios não são permitidos por nossa equipe de trabalho.

 

J.D. – A senhora, assim como o ex-secretário Alécio, implantou uma maneira diferenciada de administrar a secretaria, inclusive puxando para sua própria responsabilidade e com apoio da equipe, a função de reformar as escolas e creches públicas. Acha que este modelo de gestão estaria desagradando o prefeito e seus outros secretários? A senhora chegou a ouvir algum comentário deles a este respeito?

 

Eliene Chaves – O objetivo deste modelo de gestão foi trabalhar de maneira célere e com qualidade, aplicando os recursos destinados à manutenção e desenvolvimento do ensino, reestruturando toda rede física das escolas de forma eficiente, o que pode ser comprovado “in loco” nas vinte e seis unidades já reformadas. A Lei do FUNDEB nos autoriza a tal prática. Se desagradamos, não podemos afirmar, todavia o nosso desejo era utilizar o recurso, de forma legal, atender a demanda e oferecer unidades escolares de qualidade para a população itapetinguense.

 

J.D. – Um relatório apresentado pela senhora à nossa reportagem, relaciona ações que comprovam a aplicação de forma eficaz dos recursos da Secretaria de Educação, desde o ano de 2009, quando também esteve envolvida diretamente na administração da Secretaria. Relaciona ainda os investimentos feitos já agora em 2013 e o aumento salarial para os professores que soma 64,41% nos últimos 4 anos. Ou seja, com um histórico tão positivo de trabalhos e ações, a Secretaria de Educação provavelmente é o setor da atual administração onde ainda se vê algo de positivo. A senhora como educadora, não teme que com sua saída este quadro mude e consequentemente os números de registros positivos?

 

Eliene Chaves – Não temo. Ninguém é insubstituível. Construímos em nosso município o PME – Plano Municipal de Educação, documento que foi elaborado democraticamente com a participação de vários segmentos da sociedade e que tem duração de 10 anos (2010 – 2020). O município conta com o Sindicato dos Professores que atua, também, como entidade fiscalizadora e poderá, junto à comunidade, acompanhar a implementação das ações. A pessoa que assumir a Secretaria de Educação, certamente, dará continuidade ao trabalho.

 

J.D. – A senhora e sua equipe da Secretaria de Educação se sentem vítimas de calúnias?

 

Eliene Chaves – Segundo o dicionário, o vocábulo “calúnia” significa declaração falsa com intuito difamatório. Posso afirmar que estamos sendo caluniados por pessoas que não tem serviço prestado à comunidade, imbuídas, muitas vezes, por interesses “politiqueiros”, tendo como objetivo difamação e desequilibrar uma equipe homogênea que busca sempre fazer o melhor. Todavia, o importante é ter consciência que fizemos o que foi proposto e participamos de forma positiva na construção de uma educação melhor para o nosso município.

 

J.D. – É verdade que teria recebido convite para ir se integrar à equipe da Direc-14?

 

Eliene Chaves – Não recebi nenhum convite para DIREC-14. Há tempos atrás, já trabalhei lá. Foram momentos enriquecedores, que contribuíram, sobremaneira, para a minha trajetória enquanto educadora.

 

J.D. – O que gostaria de dizer aos educadores, estudantes e pais de alunos que apoiaram seu trabalho durante o tempo em que esteve à frente da Secretaria?

 

Eliene Chaves – Sou Educadora e estava Secretária. Luto por uma Educação Igualitária e que busca promover oportunidades para todos. Convido os pais, estudantes e colegas educadores a não desistirem da luta, a participar do processo e fazer acontecer a qualidade que tanto almejamos.

Tags:

Sem comentários ainda.

Deixe um comentário