Defesa Civil faz balanço dos estragos da chuva na cidade

Com as fortes chuvas que atingiram o município de Itapetinga-BA, nos últimos cinqüenta (50) dias, muitos problemas vieram à tona. Além das recorrentes preocupações com a estrutura das vias públicas, as adversidades climáticas na cidade revelam um drama social.

As famílias de bairros periféricos e que moram em zonas de risco têm enfrentado diariamente o desafio de lidar com estas tempestades. Em meio a este quadro, pessoas se reúnem de forma organizada através do poder público para ajudá-las a sair desta situação.

Grande parte das famílias que estão vivendo esses episódios mora em casas com chão de terra batida, em casas de taipa, com teto e paredes improvisadas por meio de material de refugo e lona. Estas são pessoas que possuem apenas um pequeno quarto para toda a família. No período de chuvas, a casa alaga facilmente, deixando-as sem opções de abrigo.

Nos últimos 45 dias, o acúmulo de chuva que caiu no município ultrapassa 250 mm (volume que era esperado para os próximos seis meses), sendo que no dia 3, sábado passado, foi registrada uma precipitação de 120 mm, um temporal que caiu sobre a cidade, com inundações e enxurradas bruscas, provocando transtornos aos munícipes, abrindo crateras nas vias públicas com interdição de ruas, erosões, alagamento em diversas localidades, rompimento de redes de água e esgoto, destruição parcial de uma ponte na zona rural de Palmares, entupimento de bueiros, construções comprometidas, inundação em residências da periferia, com perda de móveis e utensílios, remoção de famílias em área de risco, principalmente nas margens do Rio Catolé, para logradouros públicos e abrigos coletivos, comprometimento da coleta do lixo em algumas ruas sem pavimentação e a cheia do Rio Catolé, que chegou aos quintais de muitas residências na periferia.

 

BALANÇO DA DEFESA CIVIL:

22 famílias desalojadas; 10 famílias desabrigadas; 03 abrigos coletivos (Estádio Municipal ACM) / (Ginásio de Esportes) e antigo galpão da Itairó); 17 casas alugadas pela PMI (Prefeitura Municipal de Itapetinga). Foram assistidos com café da manhã, almoço e jantar. Os bairros mais atingidos foram: Nova Itapetinga, Américo Nogueira, Quintas do Sul e Vila Rosa, Primavera, São Francisco de Assis, Vitória Régia, Camacã, Clodoaldo Costa, entre outros.

Mais de dois mil metros de pavimentação, redes de água, esgoto e drenagem danificadas com o advento das chuvas do dia 3; Casas e muros danificados, barracos de taipa destruídos e parcialmente destruídos, inundação e alagamento em diversas localidades;

Perda de móveis e utensílios do lar (levados pela enxurrada); Remoção de famílias que habitavam em área de risco; Mobilização de pessoal para socorrer as vítimas das chuvas; Atuação da Defesa Civil em parceria com a Prefeitura Municipal; Cheia do Rio Catolé durante período de chuva (de 18 de outubro a 03 de dezembro/2011) e a decretação de Situação de Emergência.

Os dados são de Sizínio Neto.

 

Sem comentários ainda.

Deixe um comentário