Alerta contra os escorpiões:

Sem título-1
O calor e as chuvas típicas do verão aumentam o número de aparecimento de escorpiões nos ambientes urbanos. A infestação destes animais acontece no verão porque é neste período que eles se reproduzem.
Em Itapetinga, já se registra o aparecimento de vários deles em diversos bairros da cidade. Mostrando preocupação em alertar a população, o setor de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde começou uma campanha de esclarecimento.
Segundo a médica veterinária Deborah Fróes de Oliveira, que faz parte do setor, um plano de ação já está montado, visando prevenir acidentes causados pelo escorpião. “Eles são mais ativos durante os meses mais quentes, no entanto, esses animais podem ser encontrados durante o ano todo”, disse ela, acrescentando que no plano de ação está incluso a distribuição de material informativo, divulgação em meios de comunicação, promoção de palestras nas escolas, capacitação de dois técnicos que irão atender as denúncias com visitas nos locais com presença de escorpiões, além da notificação de casos e disponibilização de soro antiescorpiônico.
Essas ações serão realizadas em conjunto com NRS- BOS Itapetinga, Programa de Combate a Endemias, Agentes comunitários de saúde, Vigilância Epidemiológica, Vigilância Sanitária e Ambiental, além das parcerias com os órgãos ligados à limpeza urbana, ao saneamento, às obras públicas e à educação.
Através da notificação no SINAN (Sistema de Informação de Agravos de Notificação), o município tem como acompanhar o registro de números de casos e locais de maior ocorrência de acidentes causados por escorpiões. No ano de 2015 foram registrados 131 casos de acidentes e em 2016 até o mês de janeiro foram registrados 8 casos.
Para Deborah Fróes de Oliveira, além da própria Secretaria de Saúde e os órgãos de limpeza urbana, a comunidade também precisa colaborar com a limpeza de terrenos baldios e encostas, para que não haja aumento de casos. “Exatamente, a população deve sempre manter limpos quintais e jardins, colocar o lixo domiciliar em sacos plásticos e entregá-los para o serviço de coleta, não jogar lixo, materiais de construção etc em terrenos baldios. Assim estaremos tirando as condições favoráveis de moradia e alimento para os escorpiões”.

Tratamento ineficaz
O tratamento químico não é eficaz, devido os escorpiões possuírem o hábito de permanecer em longos períodos em abrigos naturais ou artificiais que impedem que o inseticida entre em contato. Além disso, a aplicação de produtos químicos de higienização doméstica e de produtos utilizados como inseticidas, raticidas, mata-baratas não são indicados por causarem o desalojamento dos escorpiões para locais não expostos à ação desses produtos, aumentando assim o risco de acidentes.
“As medidas preventivas de acidentes é a forma mais eficaz de combate ao escorpião e envolvem, dentre outras: usar calçados e luvas nas atividades de jardinagem; examinar e sacudir calçados e roupas pessoais, de cama e banho, antes de usá-las; não acumular lixo, entulhos e materiais de construção; limpar o domicílio, observando atrás de móveis, cortinas e quadros; vedar frestas e buracos em paredes, assoalhos, forros, meia-canas e rodapés; utilizar vedantes em portas, janelas e ralos; limpar locais próximos das casas, evitando folhagens densas junto delas e aparar gramados; combater a proliferação de insetos, principalmente baratas”, informou a veterinária.
No município de Itapetinga foram encontrados escorpiões da espécie Tityus serrulatus (escorpião amarelo). Todos os escorpiões possuem veneno e a capacidade de injetar este veneno. A diferença entre as espécies perigosas e não perigosas está na ação deste veneno no homem, embora, se tenha observado que os óbitos por escorpionismo estão mais fortemente associados à picada em crianças e a envenenamentos por Tityus serrulatus (escorpião amarelo).
O município tem como mapear os locais de maior ocorrência de acidentes causados por escorpiões. O bairro de maior incidência de casos na zona urbana, ano de 2015, foi Nova Itapetinga (21 casos) e Clodoaldo costa (16 casos). Na zona rural foram registrados 15 casos no mesmo ano.
“Para o sucesso das ações de controle, é imprescindível que a população participe ativamente, colaborando para modificar as condições de proliferação de escorpiões. Foi realizado no último dia 04, uma palestra com os Agentes Comunitários de Saúde e profissionais de saúde, quando se abordou as formas de prevenção em relação ao risco de acidentes com escorpião, primeiros socorros e medidas de controle individual e ambiental com o objetivo de orientar e repassar as informações durante as visitas domiciliares dos ACS e nas atividades educativas nas Unidades Básicas de Saúde criando um elo entre a comunidade e o serviço”, completou Débora, enfatizando que a Secretaria de Saúde também buscará a utilização dos meios de comunicação, palestras nas escolas e associação de bairros como estratégia para conseguir a sensibilização e mobilizar a população a participar ativamente nas ações de controle.

Primeiros socorros
Em casos de acidentes com escorpião, a pessoa deve se levada imediatamente à Unidade de Pronto Atendimento – UPA 24h onde passará por avaliação médica e aplicação do soro. Vale ressaltar algumas recomendações importantes como: não utilizar garrotes ou torniquetes; não fazer incisões (cortes) no local da picada; não aplicar querosene, amoníaco, e outras substâncias no local da picada; não administrar bebidas alcoólicas; manter o paciente em repouso, evitando caminhar e levar o paciente o mais rápido possível para a Unidade de saúde (UPA).

Tags:

Sem comentários ainda.

Deixe um comentário